Deprecated: Methods with the same name as their class will not be constructors in a future version of PHP; plgContentJw_sigpro has a deprecated constructor in /home/jc2aw529/museu.mondimdebasto.pt/plugins/content/jw_sigpro/jw_sigpro.php on line 19

O Município de Mondim de Basto estende-se por entre os maciços montanhosos das serras do Alvão e Marão. Devido às características intrínsecas do território e riqueza em recursos naturais, salientam-se, entre outros, os recursos geológicos pela ocorrência de exemplares de três tipos de rochas que afloram o nosso planeta (magmáticas, metamórficas e sedimentares) destacando-se ainda neste território a ocorrência de um filão de quartzo ametista, o primeiro a ser descoberto no nosso país.
Nesta exposição estão presentes amostras dos três principais ramos da Geologia: Petrologia, Mineralogia e Paleontologia e ainda de Arqueologia proveniente das escavações do Castro do Crastoeiro. A exposição pretende constituir-se como um instrumento útil à aquisição de conhecimentos e interesse pela geologia e arqueologia do concelho e outras partes do mundo.

Mineralogia - elementos presentes na exposição
Vitrina 6

Elementos nativos
Os elementos nativos são uma classe de minerais caracterizada por ser composta apenas por um elemento. Esta classe divide-se em três famílias: metais, semi-metais e não-metais. Entre os metais distinguem-se o ouro, a prata, o ferro, o estanho e o chumbo; como exemplos de semi-metais temos o arsénico, bismuto e o antimónio. Os não-metais incluem o enxofre e o carbono.
Curiosidade: os elementos nativos raramente aparecem na superfície da terra, tendo por isso que ser extraídos por mineração.
Halóides
Esta classe abrange cerca de cem minerais e é caracterizada pela combinação de um halogéneo (flúor, cloro, bromo, iodo) com um ou mais metais.
Curiosidade: o sal-gema é um halóide que vai dar origem ao sal de cozinha.
Óxidos e hidróxidos
Os óxidos são constituídos por um metal combinado com o elemento oxigénio. Esta classe corresponde a cerca de 4% do volume da crosta terrestre e constitui as principais jazidas de minérios de ferro, estanho e alumínio.
Os hidróxidos são caracterizados pela substituição dos átomos de oxigénio pelo grupo hidroxilo (OH) que se liga ao metal. Essa substituição pode ser total ou parcial.
Sulfuretos
Os sulfuretos são uma classe de minerais caracterizada pela combinação de elementos metálicos com elementos não metálicos. São bastante importantes na metalurgia, uma vez que compreendem a maioria dos minérios.
Curiosidade: nos minérios rochosos existem grandes concentrações de minerais que podem ser extraídos através da trituração e fusão de minério num forno, o que faz com que o metal puro fique separado do resto.

Vitrina 7
Fosfatos
Os fosfatos são minerais que contêm na sua fórmula química o radical fosfato (PO4); são compostos químicos de fósforo. O fosfato mais comum é a apatite. Esta é segregada pelos organismos vertebrados para constituírem dentes e ossos. A apatite inorgânica é explorada como um importante fertilizante para a agricultura.
Carbonatos
Há mais de duzentos minerais pertencentes à classe dos carbonatos, sendo os mais representativos a calcite e a dolomite.
Os carbonatos têm origem na ligação do carbono e oxigénio associados a outros elementos.
Curiosidade: Os carbonatos são os principais minerais encontrados no calcário e no mármore, sendo também constituintes das conchas de moluscos e das carapaças dos crustáceos.
Tungstatos
Os tungstatos são minerais que contêm na sua fórmula química o radical tungstato (WO4).
Sulfatos
Os sulfatos são minerais que contêm na sua fórmula química o radical sulfato (SO4). Dividem-se em anidros, básicos e hidratados. Os sulfatos de cálcio mais comuns são a anidrite e o gesso, que se formam pela evaporação da água do mar.

Vitrina 8
Silicatos
Em mineralogia, a classe dos silicatos é a mais importante, pois representa cerca de 25% dos minerais conhecidos; os silicatos são os constituintes mais abundantes das rochas da crosta terrestre. Os minerais pertencentes a esta classe contêm como elemento estrutural o dióxido de silício (silício ligado a oxigénio) em combinação com vários outros elementos, sendo os mais comuns: o sódio, o potássio, o cálcio, o magnésio, o alumínio e o ferro. Fisicamente, reconhecem-se com muita facilidade pela sua falta de cor própria, brilho não metálico, risco branco e elevado índice de dureza. Com base na estrutura cristalina, podemos distinguir seis famílias de silicatos: nesossilicatos, sorossilicatos, inossilicatos, ciclossilicatos, tectossilicatos e filossilicatos.

Paleontologia: fósseis presentes na exposição
Vitrina 9
Artrópodes
São invertebrados que apresentam simetria bilateral e cujo corpo é constituído por anéis ou articulações (dividido em segmentos). O seu desenvolvimento implica mudas, pois a cutícula quitinosa que os reveste é abandonada e substituída por outra à medida que vão crescendo. O sistema respiratório é constituído por brânquias, traqueia e pulmões (no caso dos escorpiões e aranhas). Têm sexos separados.
Braquiópodes
Invertebrados marinhos microfágicos com tubo digestivo curto e provido de ânus, aparelho circulatório com lacunas, sistema nervoso pouco desenvolvido e sistema muscular bem constituído. Apresentam aparelho genital simples, com sexos separados.
Hemicordados
Animais pequenos, de corpo mole, que vivem individualmente ou em grupo nos fundos marinhos arenosos ou lodos. Muitos hemicordados são sedentários ou sésseis. A sua distribuição é quase geral, mas os seus hábitos e frágeis corpos dificultam a sua recolha.
Equinodermes
Animais marinhos, fitozoários, celomados, com tegumento endurecido por granulações ou placas calcárias. Apresentam simetria pentâmera distinta ou mascarada, à qual se pode sobrepor uma simetria bilateral.
Cnidários
Celenterados com órgãos urticantes denominados cnidoblastos. O corpo encontra-se dividido em dois folhetos: ectoderme e endoderme, unidas por uma geleia. Na ectoderme encontram-se as células sensoriais, as células nervosas e as células urticantes e na endoderme existem grandes células flageladas que têm a função de assimilação.

Vitrina 10
Moluscos
Os moluscos são animais caracterizados por possuírem simetria bilateral, por vezes modificada devido à torção e enrolamento do corpo; apresentam uma cabeça anterior, um pé ventral com função locomotora e uma massa visceral dorsal. O corpo é coberto por um manto fino, carnudo e em regra encontra-se protegido por uma concha formada por carbonato de cálcio, apresentando, por isso, boas condições para fossilizar, contrariamente ao que acontece com o seu corpo que, por ser demasiado mole, desaparece rapidamente após a sua morte (são raros os casos em que o corpo se conservou).
- BIVALVES: moluscos aquáticos, na sua maioria marinhos, que possuem simetria bilateral, nos quais as brânquias apresentam a forma de lâmina, estando colocadas simetricamente em ambos os lados do corpo.
- GASTRÓPODES: moluscos aquáticos, na sua maioria marinhos, apesar de poderem existir exemplares de água doce. A maioria dos animais desta classe perdeu a simetria bilateral por torção de toda a massa visceral. A sua concha é constituída por apenas uma peça, enrolada em hélice à volta de um eixo, formando uma espiral.
- CEFALÓPODES: possuem simetria bilateral e a massa muscular que nos outros moluscos forma o pé, diferencia-se numa série de tentáculos cefálicos. A cabeça apresenta-se bem diferenciada, possuem olhos de estrutura complexa e a boca encontra-se provida de um bico córneo muito forte.

Vitrina 11
Plantas
Pteridófitas: Plantas vasculares, sem sementes e divididas em raiz, caule e folhas. Foram provavelmente o primeiro grupo vegetal vascularizado. Foram as primeiras plantas a abandonar por completo o meio aquático, apesar de ainda necessitarem de água para a reprodução. O seu ciclo de vida possui duas fases alternantes: a fase gametofítica (gametófito) e a fase esporofítica (esporófito).
Espermatófitas: Divisão tradicional das traqueófitas as espermatófitas (Spermatophyta), são plantas vasculares produtoras de sementes. Com uma grande diversidade de plantas, esta divisão agrupa cerca de 270 000 espécies. O ciclo de vida das espermatófitas inclui alternância de gerações, encoberta na formação das sementes. A geração dominante e independente é a esporófita, enquanto que a geração gametófita é reduzida e está dependente do esporófito.
As espermatófitas são heterospóricas, produzindo micrósporos (grãos de pólen), que dão origem a gametófitos masculinos (microgametófitos) e megásporos, que formam gametófitos femininos (megagametófitos).

Vitrina 12: outros fósseis

Designação Origem Datação
Madeira fóssil não petrificada Cabo Mondego Cretácico Inferior
Madeira silicificada Caldas da Rainha Jurássico
Cropólito (excrementos fossilizados) Peniche Jurássico
Dentes de tubarão Costa da Caparica Miocénico
Osso de dinossauro Lourinhã Jurássico

LIGAÇÕES

CMMB

BMMB

ZCM